O brechó do século XXI

Atualizado: Set 18

E aí maravilhosa estamos de casa nova, para poder compartilhar ainda mais assuntos relacionados ao brechó, moda, sustentabilidade e o que mais tocar no coração (rsrs). Para iniciar com o pé direito nada melhor do que falar do Brechó século XXI, ou seja, a sua nova era e quebra de paradigmas.

É bem provável que tenha observado que brechós e/ou bazares se tornaram um assunto recorrente, seja na mídia ou numa de roda de amigos, ainda mais pela atual situação econômica das pessoas e as questões relacionadas à sustentabilidade, desde o processo, pós-consumo, até o descarte e o movimento slow fashion (moda lenta) que tem conseguido muitos seguidores, certo?


Mas, antes de entrar no assunto principal vamos deixar clara a diferença entre brechó e bazar, para melhor compreensão do mesmo, basicamente ambos vendem roupas usadas, mas o bazar a recebe por meio de doação, sendo que a venda é realizada por um evento social (de igreja, ONGS, pessoas) e no fim revertem os lucros para filantropia, enquanto o brechó compra as suas peças, mais selecionadas inclusive, que possuem curadoria e é mais organizado também, seja de forma física ou online, como se realmente fosse uma loja maravilhosa, só que com peças únicas, por isso normalmente o preço é maior que os encontrados no bazar, mas ainda assim as roupas são mais baratas do que as das lojas convencionais.

Dito isso, vamos ao assunto principal, embora o mercado de brechós e venda de produtos usados seja algo mais comum fora do país, podemos dizer que temos uma tendência de crescimento aqui no Brasil, por conta da quebra de preconceitos/barreiras que as pessoas possuem aliado a necessidade de consumir algo “novo” ou simplesmente bom, sendo estas satisfeitas nos brechós, que apresentam peças de qualidade, raras, por um preço bacana, e adivinhem só a notícia se espalhou maravilhosa, dando valor aos brechós e a exclusividade que eles oferecem.


Fora que também temos a conscientização ambiental das pessoas, que aumentou e as fazem procurarem por algo menos agressivo, dando valor a cadeia de produção, como eu já disse outras vezes lá no brechó: “Não há peça mais sustentável do que aquela que já existe” e isso sem dúvidas vem favorecendo o mercado também, o que é fantástico para todos.


Além de que, o brechó tem ficado cada vez mais democrático, atendendo diversos públicos, desde os mais simples até os mais exigentes (os tais brechós de luxos ou aqueles que são realmente bem nichados que são puro sucesso também).


E por último, mas, não menos importante o brechó tem sido uma oportunidade para algumas pessoas gerarem renda (como tem sido o meu caso) em meio a uma crise econômica ele se tornou uma solução viável e eficaz.


Por isso temos o que temos hoje, o Brechó do século XXI, que é organizado, nichado (peças/ públicos especificas), com uma vitrine (físico ou online) mais atrativa e de um ambiente agradável e único. Sendo assim, podemos dizer que se durante muito tempo o brechó era associado a depósito de roupas que não prestam mais, agora está passando a ser visto com bons olhos, por isso sua valorização, a sua nova era. Para mais dicas e conteúdo, bora lá no Instagram: @soubrumisha.

16 visualizações
Brumisha Brechó
Assine nossa newsletter

© 2020 by Brumisha Brecho

Shayane Oliveira - Rua João Carneiro de Campus - Mairinque - SP 18120-000 - brumishamoda@gmail.com

0